Clique Aqui e veja mais imagens BEM VINDO AO OLHAKIONLINE -UM ANO DE 2016 DE MUITA PAZ. Nosso ibope é assim, Obrigado por acessar Clique Aqui e veja mais imagens

SUPER MINI PROJETOR PROJETA ATE 100 POLEGADAS

quinta-feira, 10 de março de 2011

Corinthians perde invencibilidade no Paulista para a Ponte Preta, mas segue líder

O Corinthians fraquejou pela primeira vez no Campeonato Paulista. A equipe alvinegra foi derrotada por 1 x 0 pela Ponte Preta, nesta quarta-feira, no Pacaembu, e perdeu uma invencibilidade de 11 partidas. Mesmo com o tropeço, o time comandado por Tite continua na liderança da competição.

Essa foi apenas a segunda derrota corintiana na temporada e a segunda também do técnico Tite, que assumiu o comando da equipe na reta final do Campeonato Brasileiro de 2010. Até então, o Alvinegro só havia caído diante do Tolima, na Colômbia, pela pré-Libertadores.

A derrota mantém o Corinthians com 25 pontos na tabela de classificação. A equipe tem o mesmo número de Santos e Palmeiras, mas leva vantagem no saldo de gols (16, 15 a 10), que é o segundo critério de desempate. O Corinthians, contudo, pode ser desbancado pelo São Paulo, que joga nesta quinta em casa contra o Ituano.

A Ponte Preta, por sua vez, não para de subir. O quinto triunfo consecutivo levou a equipe de Campinas para a quarta colocação, com 24 pontos. Agora, já são 11 partidas de invencibilidade, incluindo uma pela Copa do Brasil. As únicas derrotas da Macaca na temporada 2011 foram nas duas primeiras rodadas do Paulista, contra Mirassol e Mogi Mirim.

O Corinthians voltará a campo no domingo, diante de outro clube do interior que faz boa campanha no Paulistão. O adversário será o Mirassol, fora de casa. Um dia antes, a Ponte Preta receberá o Grêmio-SP no Estádio Moisés Lucarelli.

O jogo – O Corinthians não precisou de muito tempo para incomodar a defesa da Ponte Preta no Pacaembu. Com boa movimentação de seus homens de frente, a equipe comandada por Tite quase abriu o placar aos nove minutos de partida. Paulinho passou a bola para Liedson, que devolveu de calcanhar dentro da área. O volante concluiu para fora.

A jogada envolvente levantou a torcida corintiana no Pacaembu – em menor número, os ponte-pretanos também cantavam incessantemente no setor visitante. O público mandante ainda ficou em pé para se queixar do árbitro Philippe Lombard durante boa parte do primeiro tempo, assim como fez o técnico Tite. A marcação da Ponte Preta era firme e algumas vezes truculenta, mas a arbitragem preferia deixar o jogo seguir.

Do outro lado do campo, os defensores do Corinthians não tinham muitos motivos para preocupação. A Ponte Preta pouco atacava. Quando chegava à frente, Wallace e Leandro Castán não hesitavam diante do ex-corintiano Éverton Santos e davam um bico na bola para a frente, onde Morais e Bruno César tentavam organizar o time ofensivamente.

Com bom volume de jogo, o Corinthians criou mais algumas oportunidades de gol antes do intervalo. Liedson acertou as redes pelo lado de fora, e Dentinho (que caía bastante, a cada dividida com os jogadores da Ponte Preta) quase acertou um chute rasteiro no gol, da marca do pênalti. A maioria dos lances corintianos de perigo tinha origem pela esquerda do campo.

Apagado na partida, o lateral direito Alessandro ainda deu um susto na torcida e em seus companheiros no início do segundo tempo. O capitão completou um cruzamento na área do Corinthians e por pouco não marcou um gol contra. Acertou o travessão, para alívio do goleiro Julio Cesar – que finalmente começava a sujar o seu uniforme ao se jogar no gramado.

A Ponte Preta se empolgou com a chance de gol. Aos 12 minutos, Éverton Santos carregou a bola na intermediária, desvencilhou-se marcação e arriscou a conclusão. Com sucesso. Julio Cesar chegou a tocar na bola, que entrou. Imediatamente, a torcida do Corinthians passou a gritar mais alto para reanimar a equipe de Tite.

Mas o técnico não se contentou apenas com o apoio do público. Preferiu tirar Morais e colocar Edno em campo – alguns torcedores reprovaram a alteração. Pouco depois, o lateral esquerdo Fábio Santos também saiu, para a entrada do peruano Cachito Ramírez. Já Gilson Kleina trocou Ricardinho e Márcio Diogo pelo ex-santista Tiago Luís e por Válber.

Nos minutos finais, o Corinthians passou a pressionar a Ponte Preta sem organização tática. A equipe da casa já não tinha mais laterais de origem em campo, pois Tite também substituiu Alessandro por Willian. Não adiantou. Com uma eficaz marcação, a Ponte Preta fez conseguiu acabar com o último invicto do Campeonato Paulista.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 0 X 1 PONTE PRETA

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)

Data: 9 de março de 2011, quarta-feira

Horário: 21h50 (de Brasília)

Árbitro: Philippe Lombard

Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Marco Antonio de Andrade Motta Júnior

Assistentes adicionais: Marcelo Rogério e Norberto Luciano Santos da Silveira

Público: 12.126 pagantes (total de 13.071)

Renda: R$ 354.996,50

Cartões amarelos: Fábio Santos e Cachito Ramírez (Corinthians); Ricardinho, Ferron, Leandro Silva e Mancuso (Ponte Preta)

Gols: PONTE PRETA: Éverton Santos, aos 12 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro (Willian), Wallace, Leandro Castán e Fábio Santos (Cachito Ramírez); Ralf, Paulinho, Morais (Edno) e Bruno César; Dentinho e Liedson

Técnico: Tite

PONTE PRETA: Bruno; Guilherme, Ferron, Leandro Silva e João Paulo; Mancuso (Gerson), Josimar, Gil e Ricardinho (Tiago Luís); Éverton Santos e Márcio Diogo (Válber)

Técnico: Gilson Kleina

Nenhum comentário:

Postar um comentário